7EF – Bio de ver na Cidade – Estudo da Biodiversidade

Orientações gerais: Esta é uma atividade que constitui uma das etapas do processo avaliativo dos objetivos 2.3 e 2.5. Utilize folha timbrada sem pauta para fazer seus registros. Preencha todos os campos solicitados e, quando solicitado, faça desenhos com riqueza de detalhes. Responda às perguntas utilizando caneta azul ou preta e faça os desenhos a lápis.


APRESENTAÇÃO

O Colégio Emilie de Villeneuve foi fundado em 1º de fevereiro de 1955 e está situado em um terreno de 18.420 m². Nos anos 50, era a construção mais vistosa de um bairro praticamente desabitado. As ruas não eram asfaltadas, não havia luz elétrica e o córrego (hoje canalizado) que passava na atual Av. Vereador João de Luca transbordava nos dias de chuva e deixava o prédio em construção completamente ilhado.

Atualmente, mesmo cercado por bairros populosos e avenidas movimentadas, conta com uma ampla área verde catalogada e registrada, abrigando inúmeras espécies de seres vivos micro e macroscópicos.

Esta biodiversidade traz mais vida à metrópole e é essencial no controle da temperatura, poluição (inclusive sonora!), pragas, vetores de doenças e à manutenção da umidade relativa do ar. Estudá-la faz parte do processo de reconhecimento do mundo que nos cerca e da construção de uma relação de respeito com o meio ambiente.

Neste estudo, você irá observar, identificar, investigar, descrever e vivenciar os aspectos ambientais bióticos (fauna, flora e fungos) e abióticos (temperatura, umidade, pressão atmosférica, luminosidade, solo e água) para construir conhecimentos acerca da diversidade morfo/anato-fisiológica vegetal e dos fungos da mata atlântica, compreendendo seus sistemas como critérios de classificação.


INTRODUÇÃO

Restam apenas 12,4% da floresta que existia originalmente. A Mata Atlântica abrange cerca de 15% do território nacional, em 17 estados. É o lar de 72% dos brasileiros e concentra 70% do PIB nacional. Dela dependem serviços essenciais como abastecimento de água, regulação do clima, agricultura, pesca, energia elétrica e turismo. Hoje, restam apenas 12,4% da floresta que existia originalmente. É preciso monitorar e recuperar a floresta, além de fortalecer a legislação que a protege (SOS Mata Atlântica).

As briófitas representam o segundo maior grupo de plantas terrestres do planeta (Frahm 2003) e constituem parte importante da biodiversidade totalde plantas na região neotropical; nessa área, o grupo totaliza aproximadamente 1/3 das 13.100 espécies de briófitas amplamente distribuídas pelo planeta(Gradstein et al. 2001). O Brasil, maior país da região neotropical, apresenta rica brioflora, com cerca de78% das espécies de briófitas ocorrentes no neotrópicoe 24% das espécies de briófitas ocorrentes no globo terrestre (Yano 1996). Para o estado de São Paulo, essas plantas totalizam 37% do total de espécies de briófitas ocorrentes no Brasil (Yano & Bastos 1998).

(in VISNADI, 2009)

As briófitas são plantas que não apresentam vasos condutores de seiva, ou seja, não possuem xilema e floema. São plantas de pequeno porte, com corpo delgado, vivendo em locais geralmente sombreados e úmidos, o que ajuda a evitar seu ressecamento.

São exemplos de briófitas, as hepáticas, antóceros e os musgos, sendo esses últimos os mais conhecidos.

As briófitas podem ser classificadas em três filos distintos: Marchantiophyta (as hepáticas), Bryophyta (os musgos) e Anthocerotophyta (os antóceros). Veja a seguir algumas características que ajudam a diferenciar esses três grupos de briófitas:

Marchantiophyta: Nesse grupo, encontramos as hepáticas, as quais se destacam por não possuírem estômatos, uma estrutura presente nos outros grupos.

Bryophyta: Nesse grupo, encontramos briófitas com células especializadas na condução. As células que conduzem água, são chamadas de hidroides, e as que conduzem substâncias nutritivas são denominadas de leptoide.

Anthocerotophyta: Uma característica marcante desse grupo é a presença de um meristema basal típico, que aparece nos esporófitos na região entre o pé e a cápsula. Esse meristema permite que a cápsula continue alongando-se por período maior.

As pteridófitas, por outro lado, são plantas um pouco mais complexas. Conhecidas popularmente por samambaias, são organismos que possuem um sistema de transporte de seiva e, por tanto, podem crescer mais do que as briófitas. A mata atlântica possui uma variedade imensa de espécies de pteridófitas, sendo a sua grande maioria, epífita (ou seja, que crescem presas a árvores maiores para buscar luminosidade).

À parte deste grupo, existem ainda as Gimnospermas e as Angiospermas.

As Gimnospermas são plantas cujas sementes não são protegidas por frutos. Possuem estruturas reprodutivas com folhas modificadas chamadas estróbilos (que popularmente chamamos de pinhas). Em muitas gimnospermas, como os pinheiros e as sequoias, os estróbilos são bem desenvolvidos e conhecidos como cones – o que lhes confere a classificação no grupo das coníferas.

As Angiospermas, por outro lado, são plantas que possuem flor, fruto e semente. São plantas extremamente adaptadas ao Planeta e estão presentes em quase todos os biomas.


ATIVIDADES

ATENÇÃO: Utilize seu dispositivo eletrônico para fazer o registro fotográfico de todas as amostras que você investigar!

1. Localize uma amostra de Briófita. Colete e registre informações acerca das condições de luminosidade, temperatura, umidade e tipo de substrato no qual esta amostra foi localizada:

  • Luminosidade:
  • Temperatura:
  • Umidade:
  • Substrato:

2. Utilizando a lupa/lente, faça um desenho detalhado desta amostra.

3. Represente, por meio de um desenho detalhado, o espaço físico no qual encontra-se uma amostra de pteridófita. Indique por meio de uma seta, no desenho, o local no qual amostra está localizada.

4. Para a amostra de pteridófita localizada, colete e registre informações acerca das condições de luminosidade, temperatura, umidade e tipo de substrato no qual esta amostra foi localizada:

  • Luminosidade:
  • Temperatura:
  • Umidade:
  • Substrato:

5. Localize uma amostra de gimnosperma típica da mata atlântica. Colete o máximo de informações possível sobre esse organismo quanto à sua morfoanatomia (tamanho, cores, formato) e faça um desenho detalhado de suas partes.

6. Localize uma amostra de angiosperma típica da mata atlântica. Colete o máximo de informações possível sobre esse organismo quanto à sua morfoanatomia (tamanho, cores, formato) e faça um desenho detalhado de suas partes.

Discussão e Conclusão (nos mesmos grupos do laboratório):

Briófitas, pteridófitas, angiospermas e gimnospermas são grupos de vegetais presentes na Mata Atlântica.

Estes vegetais coexistem no mesmo espaço e disputam recursos naturais.

A partir dos dados sobre briófitas e pteridófitas observados em campo e dos dados que você destacou no seu livro sobre a flora da Mata Atlântica, elabore um texto (de 3 a 5 parágrafos, em uma folha timbrada e pautada por grupo) explicando as relações de sobrevivência entre estes vegetais.

Faça uso das suas imagens e registros escritos para explicar como a fauna se mantém em equilíbrio, indicando dados acerca da formação e composição do solo da Mata Atlântica, da umidade, da temperatura e da incidência de luz solar para embasar sua produção.